Pagodes, Paisagens, Aldeias e Templos da Birmânia

Numa viagem singular pelo sudeste asiático, conheça o património cultural e religioso da herança chinesa e hindu na Birmânia, num périplo de 13 dias que ainda inclui a visita à capital tailandesa Banguecoque.

Entre templos, paisagens abençoadas pelas monções e aldeias perdidas no tempo, descubra um dos países mais fascinantes da região meridional da Ásia.

Esta viagem por terras birmanesas começa na cidade de Yangon, após duas escalas em Madrid (Espanha) e Banguecoque (Tailândia). Yangon, também conhecida como Rangoon, foi capital do país entre 1948 e 2005.

Actualmente, vivem na cidade cerca de 5 milhões de habitantes, sendo o maior aglomerado urbano do país e o principal pólo comercial e económico da Birmânia.

Yangon é uma amálgama de influências birmanesas, chinesas e britânicas. Esta mistura de culturas pode ser vivenciada na visita panorâmica a realizar pela cidade, onde se destacam os bairros coloniais, os Pagodes de Kyauktagyi, Sule e Shwedagon, o Grande Buda Deitado, a estátua de Wa Thon Da Ray, o mercado de Bogyok, ou o típico bairro da Chinatown.

No dia seguinte viaja-se de avião para a cidade de Heho, porta de entrada para a região nordeste do país. Desta pequena cidade ruma-se à aldeia de Nyaung Shwe, onde pode ficar a conhecer o povo Intha – “os filhos do lago” – com as suas tradições e costumes. Na aldeia de Nyaung Shwe pode admirar os jardins flutuantes, o Pagode de Phaung Daw, e o Mosteiro de Nga Hpe Chaung.

Pagode de Shwedagon. Autor: Ralf-André Lettau
Durante a permanência nesta região conhece-se ainda a aldeia de Paoh de In Dein, onde se visita o Mosteiro de In Dein, uma fábrica tradicional de cigarros birmaneses (cheroots) e oficinas de artesãos com trabalhos em prata e têxteis. No dia seguinte viaja-se novamente de avião, desta vez para Mandalay, onde se visitam os Pagodes de Mahamuni e Kuthawday e o Mosteiro de Shwenandaw.

No sexto dia desta viagem, ruma-se à cidade de Amarapura, situada no centro do país, onde se realiza uma visita panorâmica com passagem pelas ruínas do Palácio Real, a Ponte de U Bein, sob o lago Thaugthaman, o Mosteiro de Maha Gandayon e o Templo Chinês.

De Amarapura, viaja-se para o centro espiritual da Birmânia, Sagaing, com passagem ainda por Moniwa, pelas grutas de Po Win Daung, e Bagan, onde se visita o pitoresco mercado de Nyaung Oo, os Templos de Htilominlo e Ananda. No penúltimo dia regressa-se a Yangon, de onde se parte em direcção a Banguecoque. Na capital tailandesa terá um dia inteiro à sua disposição para descobrir a cidade à sua medida. O regresso a Portugal realiza-se a partir de Banguecoque.

Esta viagem pela Birmânia é organizada pelo operador turístico Lusanova Tours que divulga preços a partir de 2161 euros, por pessoa, para viagens entre Janeiro e Outubro, em datas predefinidas, com partidas de Lisboa e Porto.

Para viajar para este país é necessário passaporte com uma validade mínima de seis meses, e uma carta de imigração. O visto é adquirido à entrada da Birmânia com um custo de 20 dólares. As vacinas não são obrigatórias, no entanto é aconselhável a profilaxia da malária.

O valor da viagem inclui dez noites de estadia em hotéis seleccionados, passagem aérea de ida e volta em classe económica, circuito em viatura de turismo com guia local de língua espanhola, assistência local, transferes e seguro de viagem. Os suplementos de tarifa aérea não se encontram incluídos no preço final.

SEM COMENTÁRIOS