Shanghai 2010: A Maior Exposição Universal de Sempre

A exposição universal de Shanghai (China) decorre entre 1 de Maio e 31 de Outubro e pretende ser um ponto de encontro de povos, culturas e tradições de todos os cantos do mundo.

A exposição tem como tema principal a melhoria da qualidade de vida no ambiente urbano procurando incentivar e consciencializar os governos e os “stakeholders” da importância do planeamento e das estratégias de crescimento das cidades no domínio do desenvolvimento sustentável.

Sob o lema “Melhores Cidades, Maior Qualidade de Vida” a Expo 2010, procura assim, trazer para debate a vida nas cidades, no presente e no futuro, através da partilha de experiências, estilos de vida, de ideias inovadoras, e de planos estratégicos e tecnológicos que visem o progresso sustentado das cidades em todo o mundo.

Este tema encontra-se na ordem do dia, principalmente porque mais de metade da população mundial vive, actualmente, em áreas urbanas, estimando-se que no futuro, o número aumente exponencialmente. Temáticas como a prosperidade económica, a ciência, a tecnologia, a inovação, a diversidade cultural, a interacção entre as áreas rurais e urbanas e as alterações sociais da cidade são alguns dos assuntos a tratar durante este evento.

Shanghai 2010 – A Maior Exposição Universal de Sempre
Shanghai 2010 – A Maior Exposição Universal de Sempre
Durante 184 dias esperam-se 70 milhões de visitantes numa área que se estende por mais de 500 hectares. O recinto da exposição encontra-se na região de Pudong, que corresponde a uma Zona Económica Especial com autonomia administrativa, entre as margens do rio Huang Pu e o Mar da China Oriental. Participam neste evento 192 países e 50 organizações internacionais.

Portugal encontra-se representado num espaço de exposição com cerca de dois mil metros quadrados, concebido pelo arquitecto Carlos Macedo e Couto que reside em Macau.

A fachada do pavilhão é revestida em cortiça, elemento que traduz as três ideias-chave da exposição portuguesa: ecológico, reciclável e nacional.

O espaço pretende dar ênfase à sustentabilidade ambiental e energética e às boas práticas no domínio da utilização de materiais de origem natural. Estima-se que o pavilhão de Portugal receba cerca de três milhões de visitantes.

Do centro de Shanghai até Pudong, local da exposição, distam cerca de 30 quilómetros que podem ser percorridos em apenas oito minutos, através do novíssimo comboio de alta velocidade Maglev.

SEM COMENTÁRIOS