À Descoberta do Parque Natural de Doñana

O Parque Natural de Doñana é considerado um paraíso da biodiversidade. Foi declarado Reserva da Biosfera pela UNESCO em 1980, e em 1994 passou a constar da lista de locais considerados Património da Humanidade.

Doñana localiza-se no sudoeste da Península Ibérica, na região da Andaluzia, entre as províncias de Cádiz e Huelva, na margem direita da desembocadura do rio Guadalquivir. O parque tem uma área aproximada de 550 km², dos quais 135 km² são área protegida.

O Que Ver

Flamingos no Parque Nacional de Doñana

Cerca de metade do território, que se estende de Huelva até Sanlúcar de Barrameda, é dominado por áreas húmidas (marismas), e a outra metade é constituída por formações arenosas, sendo possível distinguir diversos ecossistemas, nomeadamente os sapais, as dunas e áreas de mato (matorral), que constituem a transição entre o sapal e as constituições arenosas.

Cada um dos ecossistemas tem características e propriedades específicas, sendo habitat permanente ou temporário de muitas espécies de animais, em particular aves. Esta região constitui uma das rotas migratórias mais importantes entre o continente europeu e africano.

Ao longo de um passeio pelo parque, terá a oportunidade de verificar a diversidade da paisagem desta área natural, passando por dunas móveis, praias, pinhais e matagal denso, e de observar diversos animais como coelhos, javalis, cervos, gamos, cegonhas, répteis, além de inúmeras aves aquáticas e migratórias. Com alguma sorte, irá observar animais em vias de extinção como a águia-real ou o lince ibérico.

Numa visita a esta região, não deve perder a possibilidade de ir a banhos nas belas praias de Mazagón, Matalascañas e Castilla. Descubra ainda alguns pueblos desta região como Almonte, com as suas casinhas brancas e a ermida de El Rocío, famosa pela peregrinação na semana de Páscoa. Em Palos de la Frontera, vai encontrar o Cais das Caravelas, um museu com réplicas das naus utilizadas por Cristóvão Colombo na descoberta das Américas, e o Mosteiro de la Rábida onde o explorador se preparou para a primeira viagem.

Como Visitar

Gamos no Parque Nacional de Doñana

É possível visitar o parque por conta própria, explorando os diversos senderos, percursos pedestres disponíveis no parque. Existem ainda quatro ciclovias, com uma extensão de 53 km. No entanto, existem zonas do parque apenas acessíveis em visitas com guias especializados. Esta limitação visa reduzir o impacto de negativo das visitas ao parque natural. O ideal é combinar uma visita guiada às zonas do parque inacessíveis de outro modo com passeios pelos trilhos pedestres.

Existem diversas empresas locais que organizam visitas em veículos todo-o-terreno, a cavalo, atravessando cada um dos ecossistemas, dunas ou pântanos, e ainda de barco pelo rio Guadalquivir. As visitas podem ter a duração de quatro horas (meio dia) ou dia inteiro. Uma das empresas recomendadas é La Sociedad Cooperativa Andaluza Marismas del Rocío, e o preço por pessoa começa nos 30€.

Os centros de visitantes estão abertos todo o ano (excepto festividades), e o acesso é gratuito, não sendo necessária reserva. Estes centros podem fornecer toda a informação necessária sobre os trilhos e as visitas guiadas. Existe ainda um ponto de informação aberto todo o ano, e três outros sazonais.

O centro de visitantes El Acebuche, a cerca de 3 km da localidade de Matalascañas, é o mais completo. Possui uma exposição informativa, sala de audiovisual, cafetaria, loja de lembranças, e uma grande área de piquenique.

É a partir deste centro que partem dois trilhos pedestres: o “Laguna del Acebuche”, com 1,5 km de extensão, que percorre a margem sul de uma antiga lagoa, e o “Lagunas do Huerto e as Pajas”, com 3,5 km, que atravessa pinhais.

Os outros centros de informação situam-se na aldeia de El Rocío (La Rocina e Palácio del Acebrón), em Almonte (Los Centenales), em Aznalcázar – Sevilha (José António Valverde), e em Sanlúcar de Barrameda – Cádiz (La Fabrica de Hielo).

Para visitar as dunas fósseis de Doñana, também chamadas dunas consolidadas por oposição às dunas móveis, em constante mutação, sugerimos o sendero “Cuesta Maneli”, com uma extensão de 1,3 km, localizado no quilómetro 39,7 da estrada A-494, ou o sendero “Dunar” com início por detrás do Gran Hotel del Coto em Matalascañas, e uma extensão de 1,5 km num traçado circular de baixa dificuldade.

Dica: Nos passeios e caminhadas, recomendamos que vá munido de repelente, além de água para beber, e use roupa confortável.

Como Ir

O melhor meio de transporte para chegar ao Parque Natural de Doñana é o automóvel. O parque situa-se a cerca de 125 km da fronteira portuguesa de Vila Real de Santo António.

Entrando em Espanha, deve seguir a auto-estrada A49 e sair para o Parque Nacional de Doñana (saída 50), continuando pela estrada A-483 até chegar a Matalascañas, ponto de partida para visitar o parque.

Quando Ir

Qualquer época do ano é boa para visitar o Parque Nacional de Doñana. Para os amantes da Natureza, os meses de Outono e Inverno são os mais interessantes, visto que é nesta altura do ano que as aves migratórias oriundas de outros pontos da Europa chegam à região.

Durante a Primavera, há uma explosão de vida e cor, sendo ainda nesta altura que se realiza a tradicional romaria em adoração à Virgem d’ El Rocio com desfiles de carroças tradicionais. Durante o Verão é quando o parque recebe mais visitantes, pelo que deve reservar com alguma antecedência a sua visita guiada, tendo em consideração que podem existir limitações no número diário de visitas.

Onde Ficar

Os alojamentos turísticos nesta região situam-se fundamentalmente nas povoações de El Rocío, Mazagón e Matalascañas, com alguma diversidade de oferta, nomeadamente ao nível de casas de turismo rural e de habitação, aldeamentos turísticos, apartamentos e ainda parques de campismo próximos da praia.

Sugestões de hotéis frente à praia:

Saber Mais sobre o Parque Natural de Doñana

Para obter mais informações sobre este destino, consulte o guia do visitante de Doñana no site da Rede de Parques de Espanha.