Guia de Viagem a Hong Kong e Macau

Hong Kong situa-se na costa Sudeste da China constituída por cerca de 250 ilhas. Grande parte da região é constituída pelos Novos Territórios que ficam entre a zona urbana da península de Kowloon e a fronteira com a China Continental. A apenas um quilómetro de Kowloon está a ilha de Hong Kong, com cerca de 80 km2.

As quatro áreas principais de Hong Kong são: a ilha de Hong Kong, a península de Kowloon, os Novos Territórios e as restantes ilhas. A maioria das atrações está distribuída pelo noroeste da ilha de Hong Kong, o sul de Kowloon e pelos Novos Territórios.

Hong Kong é muitas vezes chamada a Nova Iorque do Oriente. É uma cidade dominada pelo trânsito, pelos néons coloridos, arranha-céus e avenidas largas, pelas esculturas de betão e vidro, intercaladas por templos budistas, galerias comerciais e mercados tradicionais (Temple Street Night Market e o Yuen Po) e bairros tipicamente chineses.

Se Hong Kong é a Nova Iorque, Macau é conhecida como a Vegas do Oriente. Mas não são só os casinos as atrações desta antiga colónia portuguesa. As ruas empedradas são intercaladas por templos e igreja barrocas, e por um centro histórico que é Património Mundial da UNESCO.

O Que Ver em Hong Kong

Mesmo numa breve visita de um ou dois dias a Hong Kong, há muito que ver. Um bom ponto de partida é o funicular, Peak Tram, na ilha de Hong Kong, que sobe acima dos arranha-céus até Victoria Peak, de onde se tem uma vista deslumbrante sobre a cidade em dias e noites de céu limpo. O funicular tem uma frequência de 10 em 10 minutos, e o bilhete custa HK$40 (cerca de 4€).

A zona conhecida como Central fica a meio caminho da descida de Victoria Peak, e é ideal para almoçar. Central corresponde à área dos negócios e onde estão instalados os escritórios das muitas multinacionais. A cerca de 15 minutos a pé de Central, pode visitar-se o Templo Man Mo em Sheung Wan. Para o encontrar, basta seguir o cheiro a incenso. Este templo, construído no século XIX, é dedicado ao Deus da Literatura (Man) e ao Deus da Guerra (Mo).

Em seguida, embarque numa viagem no Star Ferry (HK$2.5), que liga desde 1888 a ilha de Hong Kong ao bairro de Kowloon, uma das áreas mais densamente povoadas da China. O Star Ferry parte do cais nº7 e cruza Victoria Harbour até Kowloon.

Hong Kong

Parque e templo em Hong Kong

Do outro lado do rio, o passeio conhecido como Tsim Sha Tsui Promenade conduz ao Museu de História e oferece uma das melhores vistas sobre a ilha de Hong Kong. O mercado tradicional de aves de Yuen Po (estação de metro/MTR Prince Edward) e, ao anoitecer, as galerias comerciais de Temple Street Night Market são outras das atrações de Kowloon. Se não se aventurar para mais longe, Tsim Sha Tsui é também uma boa área onde jantar.

À noite, apanhe o metro/MTR até ao Soho, bairro adjacente a Central, conhecido pelos vários bares e animação noturna, e onde pode sentir a vivência dos habitantes da ilha.

Para escapar à multidões, Hong Kong oferece vários parques, e não muito longe, na ilha de Lantau, é possível visitar belíssimas praias. Lantau fica apenas a 11 km de Hong Kong. São cerca de 25 minutos de comboio a partir da estação de Hong Kong, ou 30 a 50 minutos de ferry (25 minutos de viagem, mais 10 minutos de caminhada no cais) a partir do cais central nº 6 de Mui Wo.

O Que Ver em Macau

Macau

Ruínas de São Paulo

Macau fica a apenas uma hora de ferry a partir do terminal de Sheung Wan (o bilhete mais barato custa cerca de HK$150 por percurso, aproximadamente 25€ ida e volta). Na ex-colónia portuguesa, vale a pena uma visita ao centro histórico e aos famosos casinos.

Partindo do Largo do Senado, passeie pelas ruínas da Igreja de São Paulo. Regresse pelas ruas estreitas até ao porto e almoce por aqui. Visite depois o Templo de A-Ma.

Em seguida, apanhe o autocarro até à Vila de Coloane e passeie por esta vila piscatória, uma das mais antigas de Macau. No regresso, apanhe o autocarro que atravessa os resorts de luxo de Catai. No final do dia, não deixe de visitar o casino Grand Lisboa.

Quando Ir

Hong Kong e Macau raramente têm temperaturas baixas, mas entre novembro e março é aconselhável levar um agasalho. Entre maio e meados de setembro, as temperaturas altas, a rondar os 30ºC, combinadas com a elevada humidade são responsáveis por um clima quente, abafado e “pegajoso”. Este é o período de maior precipitação (cerca de 80% da precipitação anual), em parte devido aos tufões.

Por estas razões, os meses entre setembro e fevereiro correspondem ao melhor período para visitar Hong Kong e Macau. Em ambas as cidades, a poluição atmosférica é infernal, provocada pelas várias indústrias nas áreas circundantes, e tende a piorar nos meses mais quentes e húmidos. Mais detalhes sobre o clima em Hong Kong e Macau.

Como Ir

Não existem ligações aéreas diretas entre Portugal e Hong Kong/Macau. Para viajar para Hon Kong, pode optar pelas companhias KLM, Air France, Lufthansa e Emirates.

Do aeroporto internacional de Hong Kong, o comboio Airport Express leva os passageiros até à zona central da cidade em cerca de 24 minutos. Os comboios, rápidos e confortáveis, passam com uma frequência de 10 em 10 minutos, e o bilhete tem um preço de HK$100 (cerca de 10€). O táxi é outra alternativa a partir do aeroporto. A viagem custa cerca de HK$300 (30€ aproximadamente).

Planear viagem a Hong Kong e Macau
Como chegar
Onde Ficar
Video de Hong Kong

Formalidades

Para estadias até 90 dias, os cidadãos portugueses portadores de passaporte podem entrar em Hong Kong e Macau sem visto, ao contrário do que sucede no restante território da China.

Hong Kong e Macau conservaram as suas próprias moedas após a integração na China: o dólar de Hong Kong (HK$) pode ser usado em Macau, juntamente com a Pataca.

Em Hong Kong, o inglês é falado por uma grande parte da população, ao contrário do que sucede no resto da China, e a sinalização é bilíngue, assim como muitos dos menus dos restaurantes. O mesmo sucede em Macau mas tendo como língua o português.

Para mais informações consulte o site oficial de turismo de Hong Kong e de Macau.