O Que Ver e Fazer em Lisboa – 10 Atrações

Conheça 10 das principais atrações de Lisboa, uma cidade com uma longa história e uma localização estratégica no estuário do rio Tejo, o maior da Península Ibérica.

Lisboa é a capital de Portugal e o centro financeiro, económico e cultural do país, tendo a cidade cerca de 530 mil habitantes (perto de 3 milhões na área metropolitana).

Para além da antiguidade e riqueza histórica, o clima e a segurança são outros dois dos principais atributos normalmente associados à cidade. Lisboa é uma cidade soalheira, com um clima temperado, onde a criminalidade violenta é rara.

Nesta lista sugerimos atrações para visitar em Lisboa, mas também na vila de Sintra a 30 minutos de distância, classificada como Património Mundial pela UNESCO.

Castelo de São Jorge

No topo da colina de Alfama, a mais alta das sete colinas de Lisboa, o Castelo de São Jorge é o local turístico mais visitado da cidade, e também o mais impressionante, em particular pela vista que oferece sobre Lisboa e o rio Tejo.

Conquistado aos mouros em 1147, o Castelo, mais precisamente a Alcáçova dos tempos islâmicos, foi escolhido pela sua localização estratégica para residência real a partir de 1248, função que manteve até ao século XVI. Da antiga residência real, restam vestígios no restaurante Casa do Leão, no Café do Castelo e no espaço da Exposição Permanente do monumento.

No interior do Castelo, destacam-se o miradouro (que só por si vale a visita) e ainda os jardins, o Castelejo, o periscópio e o sítio arqueológico.

Morada: Rua de Santa Cruz

Horários: Novembro a Fevereiro 9h-18h | Março a Outubro 9h-21h

Entrada: 8,5€ | Grátis para residentes no concelho de Lisboa

Alfama e Fado

Vista de Alfama

Vista de Alfama

Alfama é um dos bairros mais tradicionais e pitorescos de Lisboa. Para sentir o ambiente de bairro, perca-se nas ruelas e becos: ouça os sons das conversas entre vizinhos e dos jogos das crianças na rua, e sinta o cheiro a sardinha grelhada na rua.

Se visitar em Junho, não perca os arraiais durante as Festas dos Santos Populares. Embora as festas se estendam ao longo do mês de Junho, a grande noite é a noite de Santo António de 12 para 13 de Junho com desfiles na Avenida da Liberdade e gigantescos arraiais nos bairros populares, e em especial nas ruas de Alfama.

Alfama é também o bairro onde se encontram as melhores casas de fado de Lisboa das quais destacamos:

  • Parreirinha de Alfama (Beco Espírito Santo, 1): oferece pratos tradicionais e fado desde 1950. Aberto de terça a domingo ao jantar.
  • A Baiuca (Rua de São Miguel, 20): aqui qualquer um pode cantar o fado. Neste restaurante predomina o chamado fado vadio, cantado por amadores e de improviso. Aberto de quinta a segunda ao jantar.
  • Clube de Fado (Rua S. João Praça, 86 – 94): o espectáculo de fado é o prato principal num espaço de colunas, tecto ogival e decoração sóbria que cria a atmosfera perfeita para ouvir o fado. Aberto todos os dias das 20h-2h.

Elétrico 28

Eléctrico 28

Eléctrico 28

Para explorar a cidade antiga nada melhor do que uma viagem no elétrico 28. O percurso completo desde o Martim Moniz até Campo de Ourique / Prazeres dura aproximadamente uma hora. Apesar de turístico, o eléctrico é também utilizado pelos moradores para se deslocarem.

O eléctrico percorre as ruelas de Alfama, revelando vistas magníficas a cada virar de esquina, com destaque para os miradouros das Portas do Sol e de Santa Luzia. O eléctrico desce depois para a Baixa, passando pela Sé, para logo em seguida subir até ao Chiado. Antes da paragem final nos Prazeres, o eléctrico 28 passa pela Assembleia da República, pela Basílica da Estrela e pelo Jardim da Estrela.

O serviço funciona entre as 5h40 e as 21h15 nos dias úteis, e entre as 6h45 e as 22h30 aos fins-de-semana. O bilhete pode ser adquirido a bordo (2,85€) ou pode utilizar o cartão Viva Viagem, pagando a tarifa de um bilhete normal (1,40€). As filas são habituais. O melhor período para fugir às multidões é de manhãzinha. Durante o Verão, a viagem ao início da noite permite apreciar a calmaria da cidade.

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos

Classificado como Património Cultural pela UNESCO em 1983, o Mosteiro dos Jerónimos é um monumento incontornável em Lisboa, e a maior atração da zona ribeirinha de Belém. Mandado construir no século XVI por D. Manuel I, o Mosteiro dos Jerónimos é um exemplo emblemático do estilo manuelino e um símbolo da época dos Descobrimentos, e em particular da descoberta do caminho marítimo para a Índia pelo navegador Vasco da Gama.

Aprecie a fachada do monumento. O Portal Sul paralelo ao rio Tejo, apesar de ser uma entrada lateral, é o mais rico. A figura central é Nossa Senhora de Belém com o Menino, rodeada por cerca de 40 figuras religiosas, incluindo profetas, apóstolos e santos. O Portal Principal, embora mais pequeno do que o Portal Sul, representa cenas do nascimento de Cristo. De cada lado do portal, encontram-se as estátuas dos reis fundadores.

O Portal Principal dá acesso à Igreja de Santa Maria de Belém, cujos janelões decorados com vitrais conferem uma luz diferente ao interior da igreja. A entrada na igreja é gratuita.

A entrada paga no Mosteiro permite visitar o Claustro, com uma decoração ímpar que combina símbolos religiosos e reais com motivos naturalistas, o Refeitório, a Sala do Capítulo, os Confessionários e a Livraria.

Morada: Praça do Império

Horários: Outubro a Maio 10h-17h30 | Maio a Setembro 10h-18h30

Entrada: Bilhete individual 10€ | Pack Descobertas (Mosteiro dos Jerónimos + Torre de Belém) 12€

Torre de Belém

Torre de Belém

Torre de Belém

Construída no século XVI para defesa do estuário do Tejo e do porto de Lisboa, a Torre de Belém é outros dos símbolos da cidade, integrando a lista de Património Cultural da UNESCO. Apesar da sua função de fortaleza, os canhões da Torre de Belém disparam apenas uma vez, em 1579, antes de a torre se transformar numa prisão de Estado no ano seguinte com o início da ocupação espanhola. O lago artificial que coloca a torre dentro de água data de 1983.

A visita deve começar na escadaria no exterior da torre de onde se tem uma visão geral do edifício. Repare na guarita do lado noroeste , e logo abaixo no rinoceronte em pedra, que revela o gosto pelo exótico típico da época em que a torre foi constrída. Pensa-se representa o animal vivo que foi oferecido ao rei D. Manuel I pelo Sultão de Cambaia.

A ponte levadiça dá acesso ao baluarte onde se dispunha a artilharia. No interior, podem ser visitadas diversas salas. Os quatro pisos estão ligados por uma estreita escada em caracol, que termina no terraço com uma vista magnífica sobre o estuário do Tejo e a zona de Belém.

Atendendo a que o número de visitantes dentro da torre é limitado, não são raras as longas filas para visitar este monumento. Para as evitar, planeie a sua visita comprando um bilhete combinado que dá acesso a uma fila mais rápida, ou visite a torre em horas de menor afluência, de manhãzinha ou durante a hora do almoço.

Morada: Avenida da Índia

Horários: Outubro a Maio 10h-17h30 | Maio a Setembro 10h-18h30

Entrada: Bilhete individual 6€ | Pack Descobertas (Mosteiro dos Jerónimos + Torre de Belém) 12€

Terreiro do Paço e Cais das Colunas

Vista do Terreiro do Paço

Vista do Terreiro do Paço

Mais conhecida como Terreiro do Paço, a Praça do Comércio é historicamente uma das praças mais importantes de Lisboa. Foi aqui que esteve instalado durante dois séculos o Paço da Ribeira, a residência real completamente destruída pelo terramoto de 1755. Durante a época dos Descobrimentos, o Terreiro do Paço era um importante ponto de entrada em Lisboa. Ao longo dos séculos várias figuras proeminentes, entre as quais a rainha Isabel II de Inglaterra em 1957, chegaram a Lisboa através dos degraus do Cais das Colunas, o cais que se pensa ter sido inspirado nas colunas do Templo de Salomão.

Hoje, o Terreiro do Paço é um espaço aberto pedonal, circundado por um conjunto de edifícios com arcadas e centrado pela estátua equestre de D. José I voltado para o rio Tejo. Não deixe de aproveitar o passeio junto ao rio, que nos últimos anos passou a ter trânsito automóvel condicionado, devolvendo o Tejo ao Terreiro do Paço e aos seus visitantes.

Do topo do Arco da Rua Augusta, tem-se uma magnífica vista do Terreiro do Paço e do rio Tejo de um lado, e da Rua Augusta com a sua típica calçada à portuguesa do outro.

Morada: Rua Augusta | Terreiro do Paço

Horários: 10h-19h. Durante o Verão encerra às 21h.

Entrada: 2,5€

Chiado e Bairro Alto

Boutique no Chiado

Boutique no Chiado

O Chiado e o Bairro Alto são dois outros bairros de Lisboa de visita obrigatória. O Chiado é o famoso pelos cafés históricos, como A Brasileira e a Pastelaria Bénard, pelas livrarias centenárias, como a Livraria Bertrand eleita a mais antiga do mundo pelo Livro do Guiness, pelos teatros como o Teatro Nacional de São Carlos e pelas lojas chiques. O vizinho Bairro Alto é um bairro residencial tranquilo e pitoresco durante o dia, tornando-se o epicentro da noite lisboeta com diversos bares e restaurantes.

A Rua Garrett e a Rua do Carmo são as duas principais ruas comerciais do Chiado, onde se encontram lojas centenárias lado a lado com as marcas mais recentes. Em torno destas ruas, encontra algumas atrações que merecem um desvio: o Convento do Carmo e o Museu Arqueológico, o Museu do Chiado e a Igreja de São Roque, já no Bairro Alto.

A oferta de bares e discotecas no Bairro Alto é vasta. O Frágil (Rua da Atalaia, 126) é um clássico, uma discoteca gay friendly que abriu em 1982. A Capela (Rua da Atalaia, 45) é o bar onde a noite começa para muitos intelectuais lisboetas. Para os mais aventureiros, a Tasca Tequila Bar (Travessa da Queimada, 13) é outro clássico na vertente dos cocktails de tequila.

Miradouros

Vistas para o Castelo a partir do Bairro Alto

Miradouro de São Pedro de Alcântara

Com 7 colinas, Lisboa é uma cidade que oferece excelentes panorâmicas a partir dos miradouros espalhados pelos terraços e monumentos da cidade. Consulte aqui 20 vistas a não perder.

Para partir à descoberta dos miradouros, sugerimos uma experiência diferente a bordo de um tuk tuk. Existem várias empresas que disponibilizam este tipo de serviço, e incluem um circuito dos miradouros. Os tuk tuk podem ser encontrados nas principais praças do centro da cidade.

Parque das Nações

Oceanário de Lisboa

Oceanário de Lisboa

Construído para a Expo98, o Parque das Nações é um bairro moderno com avenidas largas, jardins junto ao rio Tejo, instalações de arte e o impressionante Oceanário.

Numa visita a este bairro, sugerimos um passeio junto ao rio, a pé, de bicicleta (podem ser alugadas na Marina) ou de teleférico e uma visita ao Oceanário, um dos maiores do mundo com 5 milhões de água do mar.

Concebido para a Expo98, o Edifício dos Oceanos cria a ilusão de um único oceano com os quatro habitats marinhos. O Edifício do Mar, inaugurado em 2011, recebe as exposições temporárias. À data de escrita, “Florestas Submersas by Takashi Amano” mostra as florestas tropicais através de um fascinante aquário.

A visita é ideal tanto para famílias como para adultos. Para evitar as filas, e ainda obter 10% de desconto, compre o seu bilhete aqui.

Morada: Esplanada Dom Carlos I

Horários: Verão 10h-20h | Inverno 10h-19h

Entrada: Exposição Pemanente + Temporária 17€ | Exposição Permanente 14€

Sintra

Palácio da Pena

Palácio da Pena

A vila de Sintra fica localizada a cerca de 30 minutos de Lisboa, e vale a pena reservar um dia para fazer esta visita. Apesar da proximidade, Sintra possui um clima mais fresco no Verão devido à influência da serra.

As atrações de visita obrigatória são o centro histórico onde encontra o Palácio Nacional em estilo gótico e onde não pode deixar de provar as famosas queijadas, o Castelo dos Mouros que data do século IX, e o Palácio da Pena erguido no século XIX. Se ainda tiver tempo, a Quinta da Regaleira, o Palácio de Monserrate e o Convento dos Capuchos são outros dos locais em Sintra que o vão deslumbrar.

Para chegar a Sintra de Lisboa de forma económica e rápida, pode apanhar o comboio urbano que parte da estação do Rossio no centro da cidade. Na estação ferroviária de Sintra, é aconselhável comprar um bilhete no autocarro turístico hop on hop off, já que as atrações ficam distantes umas das outras e em encostas íngremes. Em alternativa, pode optar por uma excursão organizada de um dia a Sintra. Estas excursões normalmente incluem, para além das atrações de Sintra, visitas ao Palácio de Queluz, a Cascais, e possivelmente ao Guincho.