O Que Ver e Fazer em Lisboa – 10 Melhores Atrações

Lisboa é a capital de Portugal e o centro financeiro, económico e cultural do país, tendo a cidade cerca de 530 mil habitantes (perto de 3 milhões na área metropolitana).

Com uma localização estratégica no estuário do rio Tejo, o maior da Península Ibérica, Lisboa tem uma longa história que remonta aos romanos. É também uma das cidades europeias com clima mais ameno e maior número de horas de sol.

Nesta lista, sugerimos 10 atrações para (re)visitar na cidade de Lisboa e também na pitoresca vila de Sintra, com património cultural e paisagístico classificado pela Unesco desde 1995.

1. Castelo de São Jorge

Vista do Castelo de São Jorge

No topo da colina de Alfama, a mais alta das sete colinas de Lisboa, o Castelo de São Jorge é o local turístico mais visitado da cidade, e também o mais impressionante, em particular pela vista que oferece sobre Lisboa e o rio Tejo. Conquistado aos mouros em 1147, o Castelo, mais precisamente a Alcáçova dos tempos islâmicos, foi escolhido pela sua localização estratégica para residência real a partir de 1248, função que manteve até ao século XVI. Da antiga residência real, restam vestígios no restaurante Casa do Leão, no Café do Castelo e no espaço da Exposição Permanente do monumento.

No interior do Castelo, destacam-se o miradouro (que só por si vale a visita) e ainda os jardins, o Castelejo, o periscópio e o sítio arqueológico. A entrada no castelo é grátis para residentes no concelho de Lisboa.

2. Alfama e Fado

Vista de Alfama

Vista de Alfama

Alfama é um dos bairros mais tradicionais e pitorescos de Lisboa. Para sentir o ambiente de bairro, perca-se nas ruelas e becos: ouça os sons das conversas entre vizinhos e dos jogos das crianças na rua, e sinta o cheiro a sardinha grelhada na rua.

Se visitar em Junho, não perca os arraiais durante as Festas dos Santos Populares. Embora as festas se estendam ao longo do mês de Junho, a grande noite é a noite de Santo António de 12 para 13 de Junho, com desfiles na Avenida da Liberdade e gigantescos arraiais nos bairros populares, e em especial nas ruas de Alfama.

Alfama é também o bairro onde se encontram as melhores casas de fado de Lisboa das quais destacamos:

  • Parreirinha de Alfama (Beco Espírito Santo, 1): oferece pratos tradicionais e fado desde 1950. Aberto de terça a domingo ao jantar.
  • A Baiuca (Rua de São Miguel, 20): aqui qualquer um pode cantar o fado. Neste restaurante predomina o chamado fado vadio, cantado por amadores e de improviso. Aberto de quinta a segunda ao jantar.
  • Clube de Fado (Rua S. João Praça, 86 – 94): o espectáculo de fado é o prato principal num espaço de colunas, tecto ogival e decoração sóbria que cria a atmosfera perfeita para ouvir o fado. Aberto todos os dias das 20h-2h.

3. Elétrico 28

Eléctrico 28

Eléctrico 28

Para explorar a cidade antiga nada melhor do que uma viagem no elétrico 28. O percurso completo desde o Martim Moniz até Campo de Ourique / Prazeres dura aproximadamente uma hora. Apesar de turístico, o eléctrico é também utilizado pelos moradores para se deslocarem.

O eléctrico percorre as ruelas de Alfama, revelando vistas magníficas a cada virar de esquina, com destaque para os miradouros das Portas do Sol e de Santa Luzia. O eléctrico desce depois para a Baixa, passando pela Sé, para logo em seguida subir até ao Chiado. Antes da paragem final nos Prazeres, o eléctrico 28 passa pela Assembleia da República, pela Basílica da Estrela e pelo Jardim da Estrela.

O serviço funciona entre as 5h40 e as 21h15 nos dias úteis, e entre as 6h45 e as 22h30 aos fins-de-semana. As filas são habituais. O melhor período para fugir às multidões é de manhãzinha. Durante o Verão, a viagem ao início da noite permite apreciar a calmaria da cidade.

4. Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos

Classificado Património Cultural pela UNESCO em 1983, o Mosteiro dos Jerónimos é um monumento incontornável em Lisboa, e a maior atração da zona ribeirinha de Belém. Mandado construir no século XVI por D. Manuel I, o Mosteiro dos Jerónimos é um exemplo emblemático do estilo manuelino e um símbolo da época dos Descobrimentos, e em particular da descoberta do caminho marítimo para a Índia pelo navegador Vasco da Gama.

Aprecie a fachada do monumento. O Portal Sul paralelo ao rio Tejo, apesar de ser uma entrada lateral, é o mais rico. A figura central é Nossa Senhora de Belém com o Menino, rodeada por cerca de 40 figuras religiosas, incluindo profetas, apóstolos e santos. O Portal Principal, embora mais pequeno do que o Portal Sul, representa cenas do nascimento de Cristo. De cada lado do portal, encontram-se as estátuas dos reis fundadores.

O Portal Principal dá acesso à Igreja de Santa Maria de Belém, cujos janelões decorados com vitrais conferem uma luz diferente ao interior da igreja. A entrada na igreja é gratuita. A entrada paga no Mosteiro permite visitar o Claustro, com uma decoração ímpar que combina símbolos religiosos e reais com motivos naturalistas, o Refeitório, a Sala do Capítulo, os Confessionários e a Livraria.

5. Torre de Belém

Torre de Belém

Torre de Belém

Construída no século XVI para defesa do estuário do Tejo e do porto de Lisboa, a Torre de Belém é outros dos símbolos da cidade, que faz parte da lista de Património Cultural da UNESCO. Apesar da sua função de fortaleza, os canhões da Torre de Belém disparam apenas uma vez, em 1579, antes de a torre se transformar numa prisão de Estado no ano seguinte com o início da ocupação espanhola. O lago artificial que coloca a torre dentro de água data de 1983.

A visita deve começar na escadaria no exterior da torre de onde se tem uma visão geral do edifício. Repare na guarita do lado noroeste , e logo abaixo no rinoceronte em pedra, que revela o gosto pelo exótico típico da época em que a torre foi constrída. Pensa-se representa o animal vivo que foi oferecido ao rei D. Manuel I pelo Sultão de Cambaia.

A ponte levadiça dá acesso ao baluarte onde se dispunha a artilharia. No interior, podem ser visitadas diversas salas. Os quatro pisos estão ligados por uma estreita escada em caracol, que termina no terraço com uma vista magnífica sobre o estuário do Tejo e a zona de Belém.

Atendendo a que o número de visitantes dentro da torre é limitado, não são raras as longas filas para visitar este monumento. Para as evitar, planeie a sua visita comprando um bilhete combinado que dá acesso a uma fila mais rápida, ou visite a torre em horas de menor afluência, de manhãzinha ou durante a hora do almoço.

6. Terreiro do Paço e Cais das Colunas

Vista do Terreiro do Paço

Vista do Terreiro do Paço

Mais conhecida como Terreiro do Paço, a Praça do Comércio é historicamente uma das praças mais importantes de Lisboa. Foi aqui que esteve instalado durante dois séculos o Paço da Ribeira, a residência real completamente destruída pelo terramoto de 1755. Durante a época dos Descobrimentos, o Terreiro do Paço era um importante ponto de entrada em Lisboa. Ao longo dos séculos várias figuras proeminentes, entre as quais a rainha Isabel II de Inglaterra em 1957, chegaram a Lisboa através dos degraus do Cais das Colunas, o cais que se pensa ter sido inspirado nas colunas do Templo de Salomão.

Hoje, o Terreiro do Paço é um espaço aberto pedonal, circundado por um conjunto de edifícios com arcadas e centrado pela estátua equestre de D. José I voltado para o rio Tejo. Não deixe de aproveitar o passeio junto ao rio, que nos últimos anos passou a ter trânsito automóvel condicionado, devolvendo o Tejo ao Terreiro do Paço e aos seus visitantes. Do topo do Arco da Rua Augusta, tem-se uma magnífica vista do Terreiro do Paço e do rio Tejo de um lado, e da Rua Augusta com a sua típica calçada à portuguesa do outro.

7. Chiado e Bairro Alto

Boutique no Chiado

Boutique no Chiado

O Chiado e o Bairro Alto são dois outros bairros de Lisboa de visita obrigatória. O Chiado é famoso pelos seus cafés históricos, como A Brasileira e a Pastelaria Bénard, pelas livrarias centenárias, como a Livraria Bertrand eleita a mais antiga do mundo pelo Livro do Guiness, pelos teatros como o Teatro Nacional de São Carlos e pelas lojas chiques. O vizinho Bairro Alto é um bairro residencial tranquilo e pitoresco durante o dia, tornando-se o epicentro da noite lisboeta com diversos bares e restaurantes.

A Rua Garrett e a Rua do Carmo são as duas principais ruas comerciais do Chiado, onde se encontram lojas centenárias lado a lado com as marcas mais recentes. Em torno destas ruas, encontra algumas atrações que merecem um desvio: o Convento do Carmo e o Museu Arqueológico, o Museu do Chiado e a Igreja de São Roque, já no Bairro Alto.

A oferta de bares e discotecas no Bairro Alto é vasta. O Frágil (Rua da Atalaia, 126) é um clássico, uma discoteca gay friendly que abriu em 1982. A Capela (Rua da Atalaia, 45) é o bar onde a noite começa para muitos intelectuais lisboetas. Para os mais aventureiros, a Tasca Tequila Bar (Travessa da Queimada, 13) é outro clássico na vertente dos cocktails de tequila.

8. Miradouros

Vistas para o Castelo a partir do Bairro Alto

Miradouro de São Pedro de Alcântara

Com 7 colinas, Lisboa é uma cidade que oferece excelentes panorâmicas a partir dos miradouros espalhados pelos terraços e monumentos da cidade. Para partir à descoberta dos miradouros, sugerimos uma experiência diferente a bordo de um tuk tuk. Existem várias empresas que disponibilizam este tipo de serviço, e incluem um circuito dos miradouros. Os tuk tuk podem ser encontrados nas principais praças do centro da cidade.

9. Parque das Nações

Parque das Nações

Construído para a Expo98, o Parque das Nações é um bairro moderno com avenidas largas, jardins junto ao rio Tejo, instalações de arte e o impressionante Oceanário. Numa visita a este bairro, sugerimos um passeio junto ao rio, a pé, de bicicleta ou de teleférico, e uma visita ao Oceanário, um dos maiores do mundo com 5 milhões de água do mar.

Concebido para a Expo98, o Edifício dos Oceanos cria a ilusão de um único oceano com os quatro habitats marinhos. O Edifício do Mar, inaugurado em 2011, recebe as exposições temporárias. À data de escrita, “Florestas Submersas by Takashi Amano” mostra as florestas tropicais através de um fascinante aquário. A visita é ideal tanto para famílias como para adultos. Para evitar as filas, e ainda obter 10% de desconto, compre o seu bilhete aqui.

10. Sintra

Palácio da Pena

Palácio da Pena

A vila de Sintra fica localizada a cerca de 30 minutos de Lisboa, e vale a pena reservar um dia para fazer esta visita. Apesar da proximidade de Lisboa, Sintra possui um clima mais fresco no Verão devido à influência da serra. As atrações de visita obrigatória são o centro histórico onde encontra o Palácio Nacional em estilo gótico e onde não pode deixar de provar as famosas queijadas, o Castelo dos Mouros que data do século IX, e o Palácio da Pena erguido no século XIX.

Para chegar a Sintra de Lisboa de forma económica e rápida, pode apanhar o comboio urbano que parte da estação do Rossio no centro da cidade. Na estação ferroviária de Sintra, é aconselhável comprar um bilhete no autocarro turístico hop on hop off, já que as atrações ficam distantes umas das outras e em encostas íngremes. Em alternativa, pode optar por uma excursão organizada de um dia a Sintra. Estas excursões normalmente incluem, para além das atrações de Sintra, visitas ao Palácio de Queluz, a Cascais, e possivelmente ao Guincho.