O Que Ver e Fazer na Roménia – 10 Melhores Atrações

Não sendo o destino mais óbvio, a Roménia é um país capaz surpreender. Localizado no norte da península balcânica, o território é marcado por paisagens de grande beleza natural e um rico património histórico e cultural.

O país é um destino de contrastes, onde se combinam as grandes cidades ocidentalizadas e uma ruralidade percorrida de carroça que nos faz recuar no tempo. O romeno, uma língua latina, tal como o português, desperta uma certa familiaridade num país desconhecido da maioria.

Conheça dez das melhores atrações neste país pós-comunista, onde de ano para ano vão chegando mais turistas.

1. Bucareste

Palácio do Parlamento

Bucareste é a capital da Roménia, uma cidade em vias de ser apanhada pela globalização.
A arquitectura eclética combina edifícios neo-clássicos, de Art Deco, do movimento Bauhaus, de inspiração soviética e moderna. Há ainda a velha Bucareste, o centro histórico, onde se encontram vestígios medievais, edifícios do século XIX, e várias esplanadas.

Bucareste possui um conjunto de edifícios incontornáveis. O Palácio do Parlamento é a “Casa Poporului” (Casa do Povo) mandada construir pelo líder comunista Nicolae Ceauşescu, em 1984. O imponente edifício tem 12 pisos, 3.100 salas numa área de 330 mil metros quadrados. O Arco do Triunfo foi inspirado no monumento parisiense com o mesmo nome, e o Ateneu Romeno, a sala de concertos da Filarmónica George Enescu, possui um interior deslumbrante.

2. Brasov

Vista aérea do centro de Brasov

A cidade medieval de Brasov, rodeada pelos montes Cárpatos, é uma das cidades mais visitadas da Transilvânia. Fica localizada a norte de Bucareste, a apenas 3 horas de distância. Os locais obrigatórios numa visita a esta cidade são o centro histórico, no qual se inclui a Praça Sfatului, a pitoresca rua pedonal Republicii e a Igreja Negra, o maior monumento religioso de estilo gótico do país, e ainda o museu da cidade e a Igreja de São Bartolomeu.

3. Sibiu

Centro de Sibiu

Sibiu situa-se também na região centro do país, tendo sido fundada durante o século XII por colonos de origem alemã que lhe deram o nome inicial de Hermannstadt. Ao longo dos séculos, a cidade foi ganhando importância comercial e cultural, sempre sob influência germânica. Durante o século XIX ficou sob a alçada do império austro-húngaro até ao final da Primeira Grande Guerra Mundial, altura em que Sibiu passou a fazer parte da Roménia.

A Praça Maior, a passagem das escadas, o Palácio e Museu Brukenthal, o mais importante monumento barroco da Roménia, a Catedral Evangélica e o Teatro Nacional Radu Stanca, são alguns dos lugares a visitar nesta cidade romena.

4. Sighisoara

Vista de Sighisoara com a Torre do Relógio

Sighisoara é uma cidade-fortaleza situada nas margens do rio Târnava Mare, também na região centro do país, sendo a principal urbe da Transilvânia. Foi aqui que nasceu Vlad Dracula, também conhecido como Vlad, o Empalador, que governou a província da Valáquia entre 1456 e 1462. Foi esta figura que inspirou a personagem ficcional do Conde Drácula, criada pelo romancista irlandês Bram Stoker.

A casa onde Vlad Dracula nasceu é uma das atrações de Sighisoara. Outros marcos turísticos são a Torre do Relógio, construída em 1360, a cidadela do século XII classificada Património da Humanidade pela UNESCO, e a Igreja da Colina, a mais importante estrutura gótica da Transilvânia, com frescos do século XV.

5. Castelo de Bran

Castelo do Drácula

Localizado na proximidade de Brasov, o castelo de Bran, empoleirado numa rocha na floresta do sopé dos Cárpatos, está envolto na aura de mistério e mito criada pela personagem ficcional do Drácula. Para além da referência ficcional, não existe contudo evidência de que tenha servido de residência a Vlad Dracula. Datado do século XIII, este castelo medieval serviu como residência real entre 1920 e 1957, e é hoje um museu que expõe a arte e mobiliário da rainha Maria. É também aqui que se situa um museu etnográfico ao ar livre, com casas típicas dos camponeses romenos.

6. Mosteiros Pintados de Bucovina

Mosteiro de Moldovita

Os mosteiros pintados de Bucovina no nordeste da Roménia são uma das atrações mais peculiares do país. Os frescos, datados dos séculos XV e XVI, cobrem as fachadas e representam cenas bíblicas. Contam histórias como se fossem páginas de um livro aos quadradinhos, com o objectivo de dar a conhecer aos aldeões as vidas dos mais importantes santos ortodoxos. Verdadeiras obras de arte bizantinas, vários destes mosteiros integram a lista de Património Mundial da UNESCO desde 1993. Os mosteiros mais bem conservados localizam-se em Humor, Moldovita, Patrauti, Probota, Suceava, Sucevita, e Voronet.

7. Mamaia

Costa do mar Negro

Mamaia é uma das estâncias balneares mais populares da Roménia. Situada numa língua de areia de 8 km entre o lago Siutghiol e o mar Negro, Mamaia é um verdadeiro destino de Verão, com extensos areais, água do mar a 22-24ºC ao longo de todo o Verão, um parque aquático para os mais pequenos, e uma academia de windsurf para os graúdos.

8. Delta do Danúbio

Colónia de aves no delta do Danúbio

O rio Danúbio corre ao longo de cerca de 2.800 km desde que nasce na Floresta Negra, na Alemanha, até que desagua no mar Negro. Antes de chegar ao mar, dá origem ao segundo maior delta da Europa, com 3.750 km², formado por rios, canais, pântanos, lagos e ilhas. A Reserva da Biosfera do Delta do Danúbio é o paraíso dos observadores de vida selvagem, em especial das inúmeras colónias de aves.

9. Transfagarasan

A Transfagarasan é uma das estradas mais cénicas da Roménia. Começa em Cartisoara e termina em Arges, e percorre uma distância de 114 quilómetros de curvas e contra-curvas, descidas e subidas através das montanhas Fagaras. A estrada, construída pelos militares à base de dinamite, foi uma iniciativa do líder comunista Nicolae Ceauşescu, com o objectivo de ligar as regiões romenas da Transilvânia (no centro) e Valáquia (no sul) através de cinco túneis, 27 viadutos e 831 pequenas pontes.

10. Cluj-Napoca

Catedral de Cluj-Napoca

Cluj-Napoca é uma cidade localizada na região da Transilvânia. É um dos principais centros culturais, possuindo a maior universidade do país. A praça principal, com edifícios dos séculos XVIII e XIX e vários restaurantes e lojas, é dominada pela Igreja de São Miguel de estilo gótico, datada do século XV. Também aqui se encontra o Museu de Arte, que ocupa o Palácio Banffy do século XVIII em estilo barroco, antiga residência dos imperadores austro-húngaros. Destaque ainda para a catedral ortodoxa de Cluj-Napoca, construída no período entre-guerras, que combina os estilos renascentista e bizantino. Localiza-se na Praça Avram Iancu, juntamente com o Teatro Nacional.